Praias brasileiras. BELÍSSIMAS!

No Brasil é possível ir à praia o ano inteiro. A costa litorânea, que se estende do Rio Grande do Sul ao Amapá, tem mais de 7 mil quilômetros recortados por centenas de praias (muitas ainda semi-selvagens!), costões, enseadas, dunas, falésias, ilhas e restingas. Se no litoral do Nordeste as chuvas se concentram no outono e no inverno, no Sul e Sudeste elas são mais constantes no verão. Assim, basta traçar um roteiro programando a melhor época para perseguir o sol de cada local e conhecer as praias, fazer trekking pelo interior de ilhas e explorar baías em passeios de escunas, iates e até mesmo em modestas jangadas de pescadores.

Com um regime de ventos ideal para velejadores, a costa brasileira atrai uma parcela enorme de pessoas para a prática de esportes náuticos. Um dos locais mais cobiçados para isso é Búzios, no Rio de Janeiro. Mas o iatismo se estende por todo o país – e tem tão bons velejadores que, desde 1948, o Brasil participa de todas as competições olímpicas de vela.

O mergulho livre e autônomo pode ser feito principalmente a partir de cidades como Rio de Janeiro, Angra dos Reis, Parati, Búzios (todas no estado do Rio de Janeiro), Recife (Pernambuco), Ubatuba e São Sebastião (São Paulo), Natal (Rio Grande do Norte) e São Luís (Maranhão), entre outras. O ponto alto do mergulho no Brasil se faz no Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha e no Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, onde, entre os meses de julho e outubro, podem ser observadas baleias jubarte, além de uma riquíssima fauna aquática.

Um roteiro turístico pelas praias pode ser traçado tendo como ponto de partida o Rio de Janeiro, oprincipal portão de entrada de turistas no país. Localizada na região de economia mais dinâmica do Brasil, a aproximadamente uma hora de vôo de algumas das maiores cidades brasileiras – como São Paulo, Belo Horizonte e Brasília – a cidade do Rio de Janeiro é servida por portos, aeroportos, rodovias e ferrovias que a interligam a todo o país – e à América do Sul e ao mundo. Conhecida por suas belezas naturais e seu intenso movimento cultural, a atividade turística do Rio de Janeiro está apoiada numa grande rede de hotéis, centros de convenções e feiras que, ano a ano, acolhem um número maior de visitantes.

Seguindo pela costa, o turista que estiver no Rio de Janeiro pode dirigir-se tanto para o Sul como para o Nordeste do país. De carro, em direção ao Sul, o trajeto é pela Rio-Santos – estrada de 550 quilômetros que liga o Rio de Janeiro à cidade deSantos, no estado de São Paulo. A estrada reserva uma paisagem que mistura planícies, montanhas e vales junto a uma costa esplendorosa. O primeiro ponto de parada obrigatória é Angra dos Reis, um paraíso com 365 ilhas e cerca de 2 mil praias, onde se destaca a Ilha Grande.

Logo depois de Angra fica a histórica Parati-RJ. Além de suas ruas estreitas e casarões de cidade colonial preservada, Parati tem praias e ilhas que valem a pena conhecer, como Trindade, Brava, dos Ranchos, Figueira e Caxadaço. Em noites de lua cheia, é possível passear de barco e ver as ardentias, plânctons que brilham como purpurina nas águas.

Seguindo estrada, logo se alcança o estado de São Paulo e as praias de Ubatuba, Caraguatatuba, Ilhabela e São Sebastião. Neste trecho está uma das partes mais bonitas do litoral norte paulista. Seguindo mais ainda para o sul, chega-se a uma região onde há extensas áreas preservadas de Mata Atlântica. Ai fica o Lagamar, uma grande faixa ao longo da costa, onde estão algumas das mais importantes unidades de conservação da Mata Atlântica, entre as quais a Estação Ecológica Juréia-Itatins e a Ilha do Cardoso.

Entre as praias do Sul, uma das maiores atrações fica no estado de Santa Catarina.  Florianópolis, sua capital, é dividida em duas partes – uma continental e outra na ilha de Santa Catarina, onde é chamada de “Floripa”. Encanto dos turistas, a ilha tem mais de 40 praias, entre as quais a da Joaquina, onde se realizam alguns dos mais concorridos campeonatos de surfe do país e do circuito mundial. Santa Catarina tem também praias para quem quer badalação (Camboriú), mergulho (na península onde ficam Porto Belo e Bombinhas) e história (São Francisco do Sul), com construções dos séculos XVIII e XIX, além de praias de areias brancas e passeios de barco por sua baía.

Voltando-se agora para o Rio de Janeiro e seguindo para o Nordeste, um primeiro ponto turístico fica na região dos Lagos, na chamada Costa do Sol, onde ficam Búzios e Saquarema, um dos melhores locais para a prática de surfe. Mais ao norte fica o estado do Espírito Santo, onde o principal pólo turístico se encontra em Guarapari, cidade onde há areias monazíticas e mais de 20 praias banhadas por águas transparentes. Continuando em direção ao Nordeste chega-se à Bahia, porta de entrada de uma das regiões onde o litoral é particularmente charmoso, com praias e ilhas formando um cenário de sonhos.

À beira do mar da Bahia fica o Monte Pascoal, primeiro local avistado pelos navegadores portugueses em 1500, localizado no chamado Quadrilátero do Descobrimento – formado por Trancoso, Arraial da Ajuda, Porto Seguro (segundo pólo turístico do Nordeste brasileiro, perdendo apenas para Salvador) e Santa Cruz Cabrália. Se há cinco séculos os portugueses se encantaram com a beleza natural da região, o que não dizer de quem a descobre hoje, quando percebe que nas praias e arredores ela preserva o mesmo encanto dos tempos passados, descritos por Pero Vaz de Caminha em sua Carta da Descoberta?

O litoral da Bahia também reserva outros atrativos. O Parque Nacional Marinho de Abrolhos, por exemplo, onde os mergulhadores se encantam com extensos corais; as cidades do ciclo do cacau, como Ilhéus, encravada numa região de praias quase desertas, como Camamu e Barra Grande; Morro de São Paulo, vilarejo na ilha de Tinharé, alcançado de barco a partir da cidade de Valença e onde o mar de águas calmas forma piscinas naturais e as praias são quase desertas; Itaparica, ilha em que convivem lado a lado um dos maiores complexos hoteleiros do país e a tranqüilidade de vilarejos onde o tempo parece ter parado. E, é claro, Salvador, capital da Bahia, onde as praias de areias brancas misturam-se aos prédios e à arquitetura colonial da primeira capital do país, à alegria que reina o ano inteiro, à musicalidade, ao misticismo e à religiosidade, marcas do povo baiano.

Saindo de Salvador em direção ao norte, é possível traçar um roteiro de carro pela Linha Verde, caminho que liga a Bahia ao estado de Sergipe. São 142 quilômetros de estrada, com boa sinalização, margeando a costa. No trajeto, o visitante vai encontrar imensos coqueirais, lagoas, cachoeiras e dunas na Praia do Forte, além das praias de Imbassaí, Porto Sauípe, Sabaúma, Baixio, Sítio e Mangue Seco, ponto final da Linha Verde e onde só se chega de barco, a partir da cidade de Pontal.Aracaju, capital do pequeno estado de Sergipe, é uma metrópole com encantos de província, que oferece praias e artesanato regional em cerâmica, couro e madeira.

Em Alagoas, estado vizinho de Sergipe, é comum o visitante encontrar piscinas naturais no mar de águas verdes. Além da capital, Maceió, com suas belas praias, em Alagoas ficam as cidades litorâneas de Coruripe, Barra de São Miguel e Marechal Deodoro, esta com a badalada praia do Francês. Para quem quer tranqüilidade, uma opção é a colônia de pescadores de Barra de Santo Antônio.

A próxima parada é o estado de Pernambuco, onde uma das praias mais procuradas é Porto de Galinhas, com suas piscinas naturais e águas azuis, boas para o mergulho. A capital, Recife, com seus canais, é banhada pela praia de Boa Viagem, urbana e muito freqüentada. Ao visitar Pernambuco, o turista não pode deixar de ir a Olinda, cidade histórica tombada pela Unesco como Patrimônio Cultural da Humanidade, e às praias da ilha de Itamaracá.

Com 230 quilômetros de litoral, o estado da Paraíba também oferece belíssimas praias. Em Conde, uma pequena cidade próxima da capital, João Pessoa, fica Tambada, a primeira praia naturalista do Nordeste. De Cabedelo, cidade situada na foz do rio Paraíba, saem passeios até a praia fluvial do Jacaré e para a ilha de Areia Vermelha, onde um fenômeno da natureza – um vasto banco de areia que emerge das águas – pode ser apreciado em dezembro e janeiro. Na capital, além de boas praias, quem gosta de madrugar não pode deixar de ir à ponta do Seixas, primeiro local onde o sol nasce no Brasil.

Muito sol, lagoas, praias, culinária típica e gigantescas dunas é o que o turista encontra no Rio Grande do Norte. Entre as muitas atrações destacam-se Tibau do Sul, onde as praias têm falésias e recifes; Natal, a capital do estado; Genipabu, com imensas dunas; e a Lagoa de Jacumã, marcada por uma exótica paisagem.

Mais adiante, o trecho do litoral brasileiro que une as capitais do Ceará e do Maranhão apresenta quilômetros de dunas, que mudam de lugar de acordo com o vento e se comportam como se fossem guardiãs de lugarejos nos quais só se tem acesso com um carro de tração nas quatro rodas. É o caso, por exemplo, de Jericoacoara – ou Jeri, como é conhecida – praia a oeste de Fortaleza, considerada uma das mais bonitas do mundo por sua paisagem rara e variada. O Ceará tem dezenas de praias com grandes extensões. Entre as melhores opções estão as bem movimentadas de Porto das Dunas, com um complexo aquático, a praia do Futuro e praias pouco exploradas, como Morro Branco, em Beberibe.

Fortaleza, a capital do Ceará, é uma metrópole bem servida de hotéis e restaurantes (onde a lagosta é um prato típico) e também oferece boas praias. A leste da capital fica uma das mais conhecidas do estado: Canoa Quebrada. Dizem seus moradores que para descobrir os encantos do lugar o visitante precisa passar pelo menos 24 horas em Canoa Quebrada, convivendo ali com o sol e a lua, símbolos do lugarejo tranqüilo.

Considerada a “capital do reggae brasileiro”, São Luís, no Maranhão, transforma suas praias à noite em pistas de dança. A orla é extensa e existem praias tanto urbanas como semi-selvagens. A menos de uma hora de barco da capital fica Alcântara, com suas vistosas ruínas coloniais, praias e recantos ecológicos como as ilhas do Cajual e do Livramento.

Outra atração no Maranhão é o Parque Nacional dos Lençóis Maranhenses, formado por 270 km2 de areia. É uma formação geológica rara, com dunas que chegam a 40 metros de altura e lagoas coloridas, formadas pelas chuvas.

Considerado um dos destinos mais bonitos do país, os Lençóis Maranhenses combinam quilômetros e quilômetros de dunas branquinhas pontilhadas por lagoas de água doce, ora azuis, ora verdes. A porta de entrada para o paraíso, protegido pelo status de Parque Nacional, é o município de Barreirinhas. De lá, é dada a largada para a exploração do cenário, que fica ainda mais exuberante entre os meses de junho e setembro, quando as lagoas estão completamente cheias.

Fonte: http://viajamos.com.br/profiles/blogs/as-cidades-e-estados-do-brasil-litoral-e-ilhas-oce-nicas-e-o-que

Anúncios

Faça um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: